Multifuncionalidade e Polissemia

Geralmente nos deparamos com Homonímia e Polissemia quando estamos estudando semântica. O conceito de Multifuncionalidade e Polissemia estão diretamente relacionados. Se há mais de um significado para uma mesma palavra, temos, então, diversas funções desempenhadas por um mesmo vocábulo, como visto na letra de Peace or Violence (Stromae). Para efeitos didáticos, considero sinônimos esses dois termos.

Qual a diferença entre Homonímia e polissemia?

Por definição, Homonímia é a qualidade de uma lista de palavras homônimas. Consiste na relação entre duas ou mais palavras e suas flexões (gênero e/ou número). A pronúncia ou grafia é igual, mas têm significados diferentes. Este último ponto é o que diferencia o homônimo do sinônimo, pois o primeiro trata de palavras iguais e significados diferentes, já o segundo trata de palavras diferentes com significados iguais.




A homonímia pode ser observada no campo fônico ou gráfico. Tomemos os exemplos “sem” e “cem”. A palavra que começa com “S” quer dizer “falta de”, a que começa “C” é o numeral. O som das consoantes é igual nas duas palavras, mas o contexto em que são empregadas é totalmente diferente. Notem os exemplos a seguir:

“eram cem contos de réis”

“eram sem vergonha”

“faltava sem reais”*

“estou cem um tostão no bolso”*

(as frases marcadas com o asterisco representam a forma incorreta).

Ver mais em: Como entender Homonímia de uma vez por todas?

É vantajoso considerar Multifuncionalidade e Polissemia?

O termo multifuncionalidade pode gerar alguma controvérsia, assim, Haspelmath padroniza a acepção de sentido e uso como função, e, especificamente, polissemia como multifuncionalidade. Mas não há um comprometimento com uma afirmação particular sobre quais funções fazem parte do conhecimento linguístico convencional (constituindo sentidos diferentes), e quais funções só surgem em diferentes enunciados dependendo do contexto pragmático.

Tradicionalmente não se adota um mapa semântico para catalogar os usos/significados de uma palavra. Um mapa semântico não deve ser confundido com uma simples lista. Listas apenas enumeram, sem espaço para generalizações, há apenas o uso específico.

Como funciona na prática?

Repare na letra de Peace or Violence:

J’ai vu des gens tendre les bras et leurs deux doigts levés (Eu vi pessoas estendendo os braços e seus dois dedos)
Leur majeur et leur index toujours en forme de “V” (O maior e seu dedo indicador juntos em forma de “V”)
J’ai donc demandé ce que ce symbole pouvait signifier (Então eu perguntei o que este símbolo poderia significar)
Et bien personne ô grand personne n’a pu me l’expliquer (Bem, ninguém poderia me explicar)
Serait-ce un signe de paix (Seria um sinal de paz)
Ou bien le “V” de violence (Ou o “V” da violência)
Quelqu’un sait ce qu’il avance (Alguém sabe o que está fazendo)
Ou ce qu’il fait ? (Ou o que ele faz?)

Note que fica a dúvida, o sinal de “V” representa “paz e amor” ou “violência”? Tomando unicamente o gesto feito, não se pode dizer que é um ou outro significado. Ou seja, devemos observar o contexto para poder determinar o sentido de determinada palavra/expressão.

Deixe uma resposta