Vírgula: principais usos e regras

Um dos assuntos mais comentados, quando se fala de gramática, é o uso da vírgula. Há pessoas que colocam mais do que deveria, há quem coloque menos que o necessário. Saber utilizar esse pequenino sinal é vital para uma comunicação efetiva. Neste artigo, vamos tratar desse assunto tranquilo para uns, mas penoso para outros.


O que é a Vírgula?

Há vários sinais gráficos que são muito frequentemente utilizados nos textos em Língua Portuguesa, além da Vírgula (,), são eles: Apóstrofo (), Chaves ou chavetas ({}), Colchetes ou parênteses retos ([]), Parênteses (()), Travessão (), Meia-risca (), Hífen (), Dois pontos (:), Ponto final (.), Ponto e vírgula (;) Reticências (), Ponto de exclamação (!), Ponto de interrogação (?), entre outros.

Muitas das vezes, a presença da vírgula é necessária, facultativa ou proibida. Ainda assim, sua presença ou ausência interfere na compreensão do texto, mesmo quando seu uso é facultativo.

Principais usos OBRIGATÓRIOS

Há casos cuja aplicação da vírgula é vital. Nesses casos, não empregá-la faz com que a frase fique impossível de ser compreendida, até causando ambiguidade. Deve-se empregar quando:

Listagem de itens

Nos enunciados em que se faz uma lista, deve-se utilizar uma sequência de vírgulas que substituiriam a conjunção “e”, que separa apenas os dois últimos itens, por exemplo:

“Maria, Paulo, Pedro, Joana, Cristóvão e Gabriela ficaram sem receber o pedaço de bolo.”

“Comprei carne, ovos, leite e pão.”

Destacar sintagmas

Outro emprego essencial é no destaque de sintagmas, estejam eles deslocados ou não. Mas calma, há sintagmas que devem ser destacados mesmo sem o deslocamento.

Apostos, Orações Subordinadas Adjetivas Explicativas e Vocativos devem vir entre vírgulas.

“Mercedes, pessoa boníssima, sempre fez caridade.”

“Tereza, que saiu de casa para fugir da violência, é uma vencedora.”

“Menino, entra agora!”

Sempre que o Adjunto adverbial, mesmo sob a forma oracional, estiver deslocado, quando não estiver no final da frase, deve ser marcado com vírgula, antes e/ou depois.

“Ao cair da tarde, acenderam-se as luzes.”

“Malandramente, meteu o pé pra casa”

“Se a canoa não virar, eu chego lá.”

Separar orações coordenadas

As orações coordenadas podem ser sindéticas, unidas por meio de uma conjunção, ou assindéticas, quando não há uma palavra ou expressão que as conecte. Assim como nas listas, pode-se encadear várias orações coordenadas.

“Marta saiu de casa, tomou o trem, chegou ao trabalho, trabalhou intensamente e voltou para casa.”

“Não fiz acordo, nem pretendo.”

“O conteúdo da prova é a matéria toda, mas vou dar foco nos pontos discutidos hoje.”

“Ele ora fala com uns, ora fala com outros, mas diz que não gosta de falar.”

Datas e endereços

No Brasil, a forma de expressar a data é “DIA de MÊS de ANO”, mas há outras informações que podem ser adicionadas, como dia da semana e local, por exemplo.

“Rio de Janeiro, 23 de Junho de 2009.”

“Sexta-feira, 13 de Agosto de 2013.”

Ao divulgar um endereço, alguns dados são separados por vírgula.

“Estrada das Alamedas, 4750, casa 34 – Bairro Novo, Pirituba – SP”


Principais usos FACULTATIVOS

Nos casos de Adjunto adverbial com até três palavras, pode-se omitir a vírgula quando estiver no inicio da frase.

“Hoje à noite, sairemos juntos.”

“Hoje à noite sairemos juntos.”

Principais usos PROIBIDOS

Muita gente diz que a vírgula serve para marcar a pausa da fala. Não está de todo errado, mas deve seguir os padrões citados e casos muito específicos.

NUNCA, MAS NUNCA, separe o Sujeito, o Objeto Direto, o Indireto, o Verbo, ou o Adjunto adverbial, em suas posições canônicas, do restante da frase.

NUNCA FAÇA ISSO:

* “Gustavo, saiu de casa apressado.”

* “Katia, sai, uma vez por semana.”

* “Eles pegaram, o bolo.”

Como as Orações Subordinadas são extrapolações das interações de sintagmas não oracionais, NUNCA separe a oração principal da subordinada, salvo casos já mencionados.

“Parece, que vai chover.”

“Ele disse, que gordura faz mal.”

Por hoje é só, mas ainda há outros usos permitidos e proibidos a serem vistos.


Deixe uma resposta