Biquíni e Linguagem

Você pode estar se perguntando o que exatamente biquíni pode ter a ver com linguagem. Tem muito mais do que você pode imaginar. Neste artigo, pretendo tratar do uso de certas normas e como elas podem ser utilizadas de maneira errada, ou melhor, inapropriada a depender do contexto e do ambiente.

O que é um biquíni?

Trata-se de um traje de banho feminino composto por duas peças, muito parecido com a lingerie utilizada no dia a dia, porém é utilizado especificamente para banho em piscina ou na praia. A diferença entre o biquíni e o maiô está no formato e na quantidade de peças do traje. O maiô é uma peça única cobrindo seios, barriga e quadris.

No dia 05 de junho de 1946, em Paris, um badalado evento apresentou ao mundo o Bikini:

“Atome, le plus petit maillot de bain du monde.”
“Átomo, o menor traje de banho do mundo.”

“Le Bikini, le maillot de bain plus petit que le plus petit maillot de bain du monde.”
“O Bikini, o traje de banho menor que o menor traje de banho do mundo.”

“Le Bikini, la première bombe an-atomique!”
“O Bikini, a primeira bomba an-atômica!”

Meu francês não é tão bom assim (traduzi maillot por traje propositalmente), mas deu pra perceber que Bikini fazia referência direta ao Atol de Bikini. Esse local serviu de testes norte-americanos com bombas nucleares. Isso fica claro no terceiro slogan quando fazem um trocadilho com anatômico (referente ao corpo) e an-atômico (“não atômico”, referente ao átomo).

Essa relação com a bomba atômica estava tão forte que Diana Vreeland, jornalista e crítica de moda, disse: “o Bikini é a coisa mais importante depois da invenção da bomba atômica”.

Depois daquele horror que ocorreu em Hiroshima e Nagasaki, cidades do Japão bombardeadas pelos Estados Unidos na II Guerra Mundial, o impacto causado pelas explosões serviu bem aos propósitos do marketing na venda do traje inovador.

NOTA DE DEVANEIO:

Pode ser que a “Fenda do Bikini”, do desenho Bob Esponja, seja alguma referência aos testes nucleares ocorridos no atol de Bikini, daí a “fenda” e tantas mutações que aparecem no desenho… não sei até que ponto isso é verídico, mas parece…

O que o biquíni tem a ver com a Linguagem?

Percebam que uma mulher com esse traje está efetivamente usando calcinha e sutiã em público. Não sou puritano, mas essa mesma mulher, em uma loja de roupas, vai tentar se cobrir se a cortina cair .

Não é hipocrisia. Utilizar biquíni na piscina e na praia é socialmente aceitável, mas utilizar langerie em público não é socialmente aceitável. Assim, não há incoerência nas cenas apresentadas. O mesmo ocorre com a linguagem, pois uma determinada modalidade pode ser utilizada por um mesmo falante. Esse indivíduo pode passear entre mais de uma comunidade de fala, recorrer a modalidades mais ou menos formais.

Professores de Física não ficam conversando sobre Movimento Uniformemente Variado numa mesa de bar. Professores de Português não utilizam a norma-padrão num churrasco de domingo com a família (não os normais). Tome cuidado ao utilizar uma norma em uma comunidade diferente daquela que a considera “boa”.

Muito se espera da fala de professores, não só os de português. Muitos professores recebem e-mail cheios de formalismos desnecessários. Claro que você não vai enviar um ofício para o reitor da sua universidade chamando-o de “você”, mas não precisa caçoar do amigo que não sabe todas as regras de colocação pronominal.

Mas o que significa Biquíni?

Como já disse, o nome é proveniente do Atol de Bikini (pronunciado /ˈbɪkɪˌniː/ ou /bɪˈkiːni/), que vem da língua marshalesa (também conhecida como Ebon, uma língua malaio-polinésia falada nas Ilhas Marshall). A pronúncia local é mais próxima de “Pikinni”, [pʲi͡ɯɡɯ͡inʲːii̯], algo como “lugar de cocos”.

Imagina um homem usando um… não precisa imaginar, já existe… Caso tenha visto o filme “Borat”, você viu o personagem vestindo um “mankini” (cuidado quando for procurar no Google).

E se geralmente o prefixo “bi-” significa “dois”, então “bikini” seria “dois kini”(?)… Assim, podemos ter um “monokini“! Sim, isso existe… na prática é uma mistura de maiô com biquíni. Existe desde 1964 e também era chamado de “unikini”, provável associação com a palavra “unique” (único).

Mais interessante é ver como os processos composicionais atuaram nessa palavra que é formada originalmente de “Pik” (superfície) e “ni” (coco). Repare que “kini” não deveria ser nada, mas passou a carregar todo o significado de “traje de banho feminino em duas partes”. Penso que pouquíssimas pessoas têm, atualmente, acesso ao frame da bomba ao ver um biquíni. Essa seria uma metáfora opaca.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: