Friend Like Me – Aladdin (Comparações)

No dia 23 de maio de 2019, estreou o filme “Aladdin”, da Disney. Contando com a direção de Guy Ritchie, a música “Friend Like Me” foi composta por
Alan Menken e Howard Ashman. O filme é uma adaptação de Aladdin (1992), mas dessa vez interpretado por pessoas reais, não uma animação como em 1992. Assim como fiz com You’re Welcome – Moana, vou comparar a versão original com a brasileira e apontar pontos de convergência e de divergência.

Friend Like Me – Curiosidades

Essa música, bem como toda a brilhante interpretação do Gênio na versão animada, ficou por conta do incrível Robin Williams ( 1951 – 2014 ). O live-action de 2019 trouxe um gênio bem diferente, mas também muito bem interpretado por Will Smith. A versão brasileira foi dublada por Márcio Simões tanto no desenho animado quanto na versão live-action.

Pode acontecer de ter alguma diferença entre o filme de 1992 e o de 2019, são 27 anos de diferença. Outra coisa que é bastante importante é a assinatura dos atores que fizeram a nova versão, se fosse pra fazer igual não haveria necessidade de fazer outro, mas o novo trabalho ficou maravilhoso.

A letra original não mudou, apenas vemos uma diferença de arranjo, mas nada que alterasse significativamente a letra. Não posso dizer o mesmo da versão brasileira, já que alguns trechos do novo arranjo são bem diferentes e algumas palavras foram totalmente alteradas. Isso não diminui a obra, muito pelo contrário, apresenta um novo arranjo e uma nova música tão boa quanto a anterior

Chega de enrolação e vamos à musica. A versão brasileira aqui apresentada é a de 1992.

Friend Like Me – Letra e Comparação

[Verse 1]

Well, Ali Baba had them forty thieves
Scheherazade had a thousand tales
But, master, you in luck ’cause up your sleeves
You got a brand of magic never fails

A tradução desse trecho seria: “Bem, Ali Baba tinha 40 ladrões/ Scheherazade tinha mil contos/ Mas, mestre, você está com sorte em suas mangas/ Você tem uma marca de magia que nunca falha”.

A versão brasileira diz: “Ali Babá e os 40 ladrões, muito dinheiro tinham pra contar/ Mas o meu amo é bem mais feliz, os seus desejos vou realizar.” Parece que a menção a Sherazade e à sorte do novo mestre do gênio não couberam na métrica da música em português. O trecho “bem mais feliz” se encaixa em “’cause up your sleeves”.

“Ali Baba e os Quarenta Ladrões” foi uma das histórias mais populares nas Noites Árabes, a partir da qual a história de Aladdin também pode ser encontrada. Sherazade (Scheherazade) é a protagonista que conta as histórias das “Mil e Uma Noites”, “Aladdin e a Lâmpada Mágica” é um desses 1.001 contos. Acredita-se que Aladdin não era uma parte original das “Mil e Uma Noites”, mas adicionado em uma edição muito posterior.

You got some power in your corner now
Some heavy ammunition in your camp
You got some punch, pizazz, yahoo, and how?
See, all you gotta do is rub that lamp, and I’ll say –

Reparem na tradução desse trecho: “Você tem algum poder em seu canto agora/ Alguma munição pesada em seu acampamento/ Você tem um soco, pizazz, yahoo e como?/ Veja, tudo que você tem que fazer é esfregar a lâmpada, e eu direi”. A versão brasileira acertou na mosca quando diz: ” É um lutador que tem a força, e muita munição pra gastar/ Tem soco forte, pimba! E nocaute! É só pegar a lâmpada e esfregar/ O que deseja?”.

Na parte que diz “You got some power in your corner now” há uma referência ao filme Rocky (1976). Outro detalhe é o trecho “and I’ll say” que no Brasil ficou “O que deseja?”.

[Chorus]

“Mr. Aladdin, sir
What will your pleasure be?
Let me take your order, jot it down”
You ain’t never had a friend like me, ha ha ha

Com um sotaque francês bem estereotipado, o gênio diz: “Sr. Aladdin, senhor/ Qual será o seu prazer?/ Deixe-me anotar seu pedido, anotar/ Você nunca teve um amigo como eu”. A dublagem brasileira foi pontual, mais uma vez, “Pode pedir senhor, é só pedir pra mim/ Faça o seu pedido, eu anoto/ Nunca teve um amigo assim.”

Life is your restaurant
And I’m your maitre d’
Come on, whisper what it is you want
You ain’t never had a friend like me

Uma coisa deve ser dita a respeito desse trecho, ao traduzi-lo, teríamos: “A vida é o seu restaurante/ E eu sou seu maitre/ Venha, sussurre o que você quer/ Você nunca teve um amigo como eu”, muito parecido com o que encontramos na dublagem brasileira: “A vida é um restaurante/ Eu sou seu maître sim/ Vem cá diga o que vai querer/ Nunca teve um amigo assim”.

O que perdemos com a tradução foi o conceito de “maître d'”, que é o chefe dos garçons em restaurantes, embora também possa atuar como anfitrião, gerente ou mesmo proprietário do estabelecimento. Essa analogia se refere ao fato de o Gênio ser ” maître d’/garçom” e Aladdin, o cliente.

[Verse 2]

Yes sir, we pride ourselves on service
You’re the boss, the king, the shah!
Say what you wish, it’s yours! True dish
How about a little more baklava?

Agora chega o trecho que eu sempre tive dúvidas por não entender todas as referências. A tradução direta é “Sim senhor, nós nos orgulhamos do serviço/ Você é o chefe, o rei, o xá!/ Diga o que quiser, é seu! Prato verdadeiro/ Que tal um pouco mais de baklava?” Mas o que é baklava e por que chamar o amo de xá?

Xá(Shah) era o título dos monarcas da Pérsia e do Afeganistão e, muitas vezes, fazia parte dos nomes por que eram conhecidos; Mohammed Zahir Xá foi o último xá do Afeganistão, reinando de 1933 a 1973 (mas morreu em 2007). Baklava é uma massa com origens no Oriente Médio. É uma sobremesa feita com massa folhada, camadas de nozes e mel. Era considerado uma iguaria disponível apenas para os ricos do Médio Oriente, do subcontinente indiano, dos Bálcãs e da Turquia.

Have some of column A
Try all of column B
I’m in the mood to help you, dude
You ain’t never had a friend like me

Antes de conhecer a versão original, eu só tinha contato com a versão brasileira, que nesse trecho diz assim: “Toda comida aqui, é sua Aladdin/ É só pedir, tamos aí/ Nunca teve um amigo assim”. Porém, ao pegar a tradução do original temos: “Tem um pouco da coluna A/ Experimente toda a coluna B/ Estou com vontade de te ajudar, cara/ Você nunca teve um amigo como eu”.

Durante um bom tempo eu fiquei pensando sobre o motivo de tal diferença. Os restaurantes chineses típicos dos Estados Unidos classificam seus cardápios em colunas, onde uma combinação de informações é fornecida informando ao cliente quanto alimento deve ser pedido de cada um.
O Gênio remove essas restrições e convida Aladdin a desejar o que ele quiser. Agora a dublagem brasileira passou a fazer sentido para mim.

[Bridge]

Can your friends do this?
Can your friends do that?
Can your friends pull this
Out their little hat?
Can your friends go poof?
Hey, looky here, ha ha

Esse é um daqueles momentos que eu prefiro a versão brasileira “mil milhões” de vezes.

Versão BR: “Isso é uma cabeça/ Ou será uma bola/ Ou serei um coelho/ Da minha cartola/ Pode ser um boom!/ Hum, que beleza!”.
Tradução do Original: “Seus amigos podem fazer isso?/ Seus amigos podem fazer isso?/ Seus amigos podem puxar isso/ Fora seu pequeno chapéu?/ Seus amigos podem poof?/ Ei, olhe aqui, ha ha”

Can your friends go “Abracadabra,” let her rip
And then make the sucker disappear

Aqui nós temos uma atenuação da mensagem original, a versão br diz: “E eu digo abracadabra, dividir/ E agora tudo vai sumir”, mas a mensagem original seria “Seus amigos podem ‘Abracadabra’, vamos lá/ E então faça essa coisa desaparecer”; aqui, “let ‘er rip” tem o mesmo sentido que “deixa ir” ou “começa logo”. Muitas vezes é usado como um imperativo.

[Verse 3]

So don’t you sit there slack-jawed, buggy-eyed
I’m here to answer all your midday prayers
You got me bona fide, certified
You got a genie for your charge d’affaires

Outro trecho que eu prefiro a dublagem brasileira.

Tradução do Original: “Então não fique de queixo caído, olhos arregalados/ Estou aqui para responder a todas as suas orações do meio-dia/ Você me deu de boa-fé, certificada/ Você tem um gênio para seu encarregado de negócios”.
Versão brasileira: “Então não fique boquiaberto/ Estou aqui só pra te atender/ Sou um grande gênio diplomado/ O que quiser é só você dizer”

I got a powerful urge to help you out
So what’s your wish? I really wanna know
You got a list that’s three miles long, no doubt
Well, all you gotta do is rub like so

“Eu tenho um forte desejo de ajudá-lo/ Então qual é o seu desejo? Eu realmente quero saber/ Você tem uma lista de três quilômetros, sem dúvida/ Bem, tudo que você precisa fazer é esfregar assim” contra “Estou ansioso para usar o meu poder/ É só pra isso que eu aqui estou/ Me dê essa lista quilométrica/ Esfregue a lâmpada e verá quem sou”… A versão brasileira dá de 10×0 na original.

[Chorus]

Mister Aladdin, sir
Have a wish or two or three
I’m on the job, you big nabob
You ain’t never had a friend, never had a friend, you ain’t
Never had a friend, never had a friend

Enquanto ainda não há intimidade entre o Gênio e Aladdin, ele frequentemente chama seu novo amo de “Mister Aladdin, sir”. A versão BR diz o seguinte: “Pode falar senhor, seus desejos para mim/ Deixa que eu faço, seu ricaço/ Você nunca teve amigo, nunca teve amigo/ Você nunca teve amigo, nunca teve amigo”. Mas algumas informações bem curiosas foram perdidas nesse trecho: “Senhor Aladdin, senhor/ Tem um desejo ou dois ou três/ Eu estou no trabalho, seu grande nababo/ Você nunca teve um amigo, nunca teve um amigo, você/ Nunca tive um amigo, nunca tive um amigo”

Além de ter apresentado a quantidade de desejos a que Aladdin teria direito, Gênio chama seu amo de “Nabob”, termo anglo-indiano para um homem rico e fabuloso, derivado do termo “nawab”, referindo-se aos governantes soberanos dos estados principescos indianos.

Friend Like Me – encerramento

You ain’t
Never… had a…
Friend… like
Me
Ya-ha-ha
Wah-ha-ha
You ain’t never had a friend like me!

Você nunca…
teve…
amiiiiiiiigo aaaaaassiiiiiiiiiiiiiiiiim…
Ha ha ha…
Ha ha ha…
Você nunca teve amigo assim!

Pelo amor de tudo quanto é mais sagrado, não confunda minha crítica à letra original e minha preferência por certos pontos da brasileira com uma crítica à atuação do Robin Williams. Ele era um gênio em tudo que colocava a mão, principalmente comédia. O Gênio era o próprio Robin Williams, o próprio Márcio Simões já deu diversas entrevistas explicando como era difícil acompanhar e adaptar tanta inventividade.

Robin Williams, Márcio Simões e Will Smith são os melhores atores que poderiam ter interpretado o Gênio; Robin com suas maluquices, Will com suas doideiras e Márcio dando conta, mostrando que é um excelente profissional.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: