Análise do Hino da Independência

Você sabia que há uma música criada em homenagem ao dia da Independência? Todo dia 07 de Setembro é comemorado o dia da Independência do Brasil. Para comemorar a libertação do domínio de Portugal, foi criado um hino comemorativo para essa data. O Hino da Independência traz muitas palavras pouco usadas hoje e tem uma organização semelhante à do Hino Nacional. Vamos falar um pouco sobre a letra e algumas curiosidades dessa música pouco conhecida.

No dia 07 de Setembro de 1822, o príncipe D. Pedro IV estava voltando de uma viagem feita a São Paulo quando recebeu uma carta de sua esposa informando o que estava acontecendo no Rio de Janeiro. Diz a tradição que ele e seus companheiros sacaram suas espadas e D. Pedro proclamou a independência do Brasil às margens do rio Ipiranga. Assim, ele passou a ser Dom Pedro I, no Brasil, o Imperador do Brasil.

Para comemorar esse evento de extrema importância, foi criado o Hino da Independência. A letra foi composta pelo poeta, jornalista, político e livreiro brasileiro, Evaristo da Veiga. Seguindo o estilo árcade, o hino da independência pretende engrandecer elementos específicos: o Brasil e os brasileiros.

No artigo sobre o sufixo eiro, eu disse que este pode caracterizar agentes com pouco prestígio na sociedade. A palavra brasileiro caracterizava aquele que carregava o pau-brasil. Com o aumento do povoamento e com o crescimento do sentimento nacionalista, os nascidos no Brasil passaram a acolher o termo brasileiro com orgulho. Esse orgulho se reflete em diversas passagens do hino: “Brava gente brasileira!”, “Parabéns, ó brasileiro,”.

As partes do Hino da Independência

Vamos tratar apenas da letra, os aspectos musicais, partituras e afins não serão discutidos aqui. O poema, podemos dizer assim, é composto por quatro estrofes com quatro versos cada, intercalados por um estribilho, tb. refrão. O primeiro e o segundo versos de cada estrofe são considerados soltos, pois não há rima entre eles. Os versos segundo e quarto são rimas agudas, isto é, rimam a última sílaba da palavra; a palavra “Brasil” sempre termina as estrofes.

Hino da Independência – Refrão

“Brava gente brasileira!
Longe vá… temor servil:
Ou ficar a pátria livre
Ou morrer pelo Brasil.”

Há uma saudação aos brasileiros, desejando-se que a servidão não mais retorne. Claro que estamos falando da servidão à Coroa portuguesa, nessa ocasião ainda não se cogita a abolição da escravatura. Esse refrão intercala todas as estrofes, segue a mesma métrica e rima. Termina com um período composto alternativo “Ou ficar a pátria livre/ Ou morrer pelo Brasil.” Não há outra opção, é “independência ou morte”.

Hino da Independência – Primeira Estrofe

“Já podeis, da Pátria filhos,
Ver contente a mãe gentil;
Já raiou a liberdade
No horizonte do Brasil.”

O começo informa aos brasileiros que estamos livres e que a “mãe gentil” se alegra com tal situação. O sentimento nacionalista é muito presente, evidenciado pelos termos “Pátria”, “mãe gentil” e “Brasil”. Os dois primeiros versos dessa estrofe podem ser reorganizados da seguinte forma: “Filhos da Pátria, já podeis ver a mãe gentil contente”.

Hino da Independência – Segunda Estrofe

Os grilhões que nos forjava
Da perfídia astuto ardil…
Houve mão mais poderosa:
Zombou deles o Brasil.”

Na segunda estrofe, temos um ataque direto à dominação portuguesa. Note-se que são utilizadas as palavras “perfídia” (deslealdade, falsidade, traição, etc.) e “ardil” (artimanha, astúcia, cilada, armadilha). Nos dois versos finais, a soberania brasileira é enaltecida. Além de ser uma nação mais poderosa, permitiu-se zombar “deles”.

Hino da Independência – Terceira Estrofe

Não temais ímpias falanges,
Que apresentam face hostil;
Vossos peitos, vossos braços
São muralhas do Brasil.”

As “ímpias falanges” são as tropas inimigas que estão prestes a enfrentar as forças brasileiras, mas o moral dos nossos guerreiros não deve ser abatido, pois “Vossos peitos, vossos braços/ São muralhas do Brasil.”

Hino da Independência – Quarta Estrofe

Parabéns, ó brasileiro,
Já, com garbo juvenil,
Do universo entre as nações
Resplandece a do Brasil.”

O poema termina com um gracejo. Nos versos anteriores, os termos “da Pátria filhos” e “Brava gente brasileira” são sinônimos, agora convergidos no vocativo “ó brasileiro”. A elegância do Brasil supera a de todas as outras nações. Repare nos versos “Do universo entre as nações/ Resplandece a do Brasil”, a omissão pode confundir um desavisado. Não há nenhuma palavra feminina. Essa anáfora indireta se refere à grandeza deste país, que supera a de todas as outras nações, inclusive a de Portugal.

São 195 anos de história. O hino da independência, assim como o da bandeira, não é tão famoso, mas é muito bonito.

Ver também

Análise do Hino Nacional Brasileiro

Hino da Independência – Letra completa

Já podeis, da Pátria filhos,
Ver contente a mãe gentil;
Já raiou a liberdade
No horizonte do Brasil.

Brava gente brasileira!
Longe vá… temor servil:
Ou ficar a pátria livre
Ou morrer pelo Brasil.

Os grilhões que nos forjava
Da perfídia astuto ardil…
Houve mão mais poderosa:
Zombou deles o Brasil.

Brava gente brasileira!
Longe vá… temor servil:
Ou ficar a pátria livre
Ou morrer pelo Brasil.

Não temais ímpias falanges,
Que apresentam face hostil;
Vossos peitos, vossos braços
São muralhas do Brasil.

Brava gente brasileira!
Longe vá… temor servil:
Ou ficar a pátria livre
Ou morrer pelo Brasil.

Parabéns, ó brasileiro,
Já, com garbo juvenil,
Do universo entre as nações
Resplandece a do Brasil.

Brava gente brasileira!
Longe vá… temor servil:
Ou ficar a pátria livre
Ou morrer pelo Brasil.

One thought to “Análise do Hino da Independência”

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.