Interjeição é o quê?

A tradição gramatical considera a Interjeição como uma palavra que exprime uma emoção. As interjeições são elementos de caráter mais afetivo da linguagem, valendo por frases inteiras. Algumas vezes têm sentido que pode variar conforme a entoação e os gestos corporais empregados. Quando fiz minha dissertação de mestrado, relacionei o uso de interjeições e locuções interjetivas que expressam desejo, no final deste artigo você pode conferir o resultado da minha pesquisa.

Interjeição e Locução Interjetiva

As listas de intenções que podem categorizar as interjeições são muito repetitivas. Como ponto de partida, tomemos a descrição de Camara Jr. (1981) sobre o que é interjeição.

“Palavra que traduz, de um modo vivo, os estados d’alma. É uma verdadeira palavra-frase, pela qual o falante, impregnado de emoção, procura exprimir por uma frase logicamente organizada. As interjeições são palavras especiais e se distinguem das EXCLAMAÇÕES, vocábulos soltos, emitidos no tom de voz exclamativo, ou frases mais ou menos longas que em regra começam pelas partículas que, como quanto, quão, e constituem orações de um tipo especial, ou fragmentos de oração, ou monorrema” (p. 147)

Ainda se pode dizer sobre as interjeições que elas são realizadas por meio de palavras, simples ou compostas, e por meio de locuções. Uma locução é a reunião de dois ou mais vocábulos cujas identidades fonética e mórfica se mantêm, mas um outro significado emerge dessa conjunção constituindo, assim, uma nova unidade significativa.

Interjeições são palavras invariáveis convencionalizadas e de uso corrente que expressam alguma emoção do enunciador, sem a presença de elementos verbais como núcleo oracional. Locuções interjetivas são  expressões cujas características discursivas se assemelham às das interjeições; há casos em que a estrutura oracional é mais estável e admite pouca ou nenhuma variação dos constituintes frasais.

“Frase constituída de um só vocábulo que engloba em si os elementos do sintagma oracional. (…) o vocábulo é inanalisável e funciona em bloco.” (CAMARA Jr., op.cit., p. 170)

Sons vocálicos

ah!, oh!, hui!, hum, eh!, ai!, ui!, ó!

Palavras correntes na língua

olá!, puxa!, homem!, viva!, tomara!, pudera!

Palavras onomatopaicas

clic (clique), tic-tac (tique-taque)

Locuções interjetivas

ai de mim!, valha-me Deus!, quem dera!

Observe que não há unanimidade quanto à colocação das interjeições nos quadros de classes de palavras, e, em alguns casos, há certa confusão e até contradição entre os gramáticos. Não há justificativas plausíveis para que as interjeições sejam excluídas do rol das classes de palavras, pois são morfemas lexicais invariáveis, bem como advérbios, preposições e alguns pronomes.

As classes de palavras são sistematizações dos morfemas observadas sob quatro parâmetros que permitem classificar os morfemas como livres ou presos; de natureza lexical ou gramatical. Complementando essa classificação, Camara Jr. (1999) argumenta sobre a forma dependente, que acumula algumas características das formas livres e algumas características das formas presas.

“Conceitua-se assim uma forma que não é livre, porque não pode funcionar isoladamente como comunicação suficiente; mas também não é presa, porque é suscetível de duas possibilidades para se disjungir da forma livre a que se acha ligada: de um lado, entre ela e essa forma livre pode-se intercalar uma, duas ou mais formas livres ad libitum (a grande, promissora e excelente lei). Por outro lado, quando tal não é permissível (nos pronomes átonos que funcionam junto ao verbo), resta a alternativa dela mudar de posição em relação à forma livre a que está ligada, o que não ocorre absolutamente com uma forma presa: ao lado de – se fala, há também a construção fala-se etc.” (p. 70)

As interjeições são morfemas livres e deveriam constituir classe de palavras, mas não há consenso quanto a isto. Cunha (1996) explica que as interjeições ficam excluídas do quadro das classes de palavras por serem equivalentes a um “vocábulo-frase”, mas não apresenta nenhuma justificativa para tal. Dessa mesma forma, muitos gramáticos apenas informam que não consideram interjeição como classe, também sem nenhuma explicação adicional.

Ainda que sejam cabíveis várias ponderações sobre a Nomenclatura Gramatical Brasileira, na parte que trata da morfologia, a interjeição consta como classe de palavras, mas é preterida por parte dos gramáticos tradicionais.

Classificação das Interjeições

Eis algumas interjeições, classificadas de acordo com a Gramática Tradicional, segundo o sentimento que exprimem:
— De alegria: ah!, oh!, olá!
— De desejo: oxalá!, tomara!
— De dor: ai!, ui!
— De chamamento: 6!, alto!, psiu!
— De silêncio: psiu!, caluda!
— De advertência: cuidado!, alerta!
— De incredulidade: qual!, ora!, adeus!

 

Ver também:

CONSTRUÇÕES PLUSQUAM: PROCESSOS ESTRUTURAIS INTERJETIVOS VOLITIVOS

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.