Artigo: Definidos e Indefinidos

O artigo é uma palavra que precede o Substantivo, evidenciando se este é determinado ou não. Faz parte do conjunto de palavras morfemáticas, ou seja, possui significado puramente instrumental, ao lado das preposições e conjunções. Os artigos, definidos e indefinidos, são sempre átonos, com ou sem preposição. Toda e qualquer palavra, expressão, ou frase, passa a ser substantivada quando for precedida de artigo. Diferente de outras línguas, como o inglês, mesmo que não haja marcação de gênero gramatical na palavra, dentista, colega, espadachim, estudante, jovem, entre outros, o gênero será expresso por esse adjunto.

Tipos de Artigos

Há dois tipos de artigo:

Artigo Definido: o (a, os, as)

Exemplos:

  • o carro
  • a asa
  • os macacos
  • as borboletas

Artigo Indefinido: um (uma, uns, umas)

  • um galho
  • uma cobra
  • uns meninos
  • umas certezas

O artigo definido se junta ao elemento a ser determinado para indicar que se trata de um ser claramente específico entre outros participantes da cena enunciada, assim, o ouvinte ou o leitor já sabem quem é, pelas circunstâncias que cercam a enunciação da frase:

O presidente discursou ontem.

O artigo indefinido seve para mencionar um ser qualquer entre tantos outros, citação genérica, nem o ouvinte ou o leitor saberão dizer quem é o ser mencionado:

Um governador foi muito aplaudido durante a convenção.

O artigo indefinido tem sua origem no numeral, mas o numeral indica a quantidade de seres presentes na cena.

Artigos: Principais usos

Serve para assinalar o gênero e o número dos substantivos:

  • o colega — a colega
  • um dentista — uma dentista
  • o oásis — os oásis
  • o lápis — os lápis

Também se usa com referência à espécie inteira.

Exemplo:

O limão é fruta ácida. (Isto é: todo limão.)

Sempre que uma palavra, não importa sua classe original, for precedida de artigo, esta passa a ser tratada como substantivo. Também pode indicar a mudança de significado, como quando há alteração de gênero marcada pelo determinante.

  • O quê da questão.
  • O que importa é o agora, e o depois fica pra depois.
  • A rosa fica bem em você.
  • O rosa fica bem em você.
  • O moral (estado de espírito).
  • A moral (normas de conduta e princípios).
  • O cabeça (=líder).
  • A cabeça (parte do corpo).

Mesmo que o etnônimo (o nome que se aplica à denominação de povos, tribos, castas ou agrupamentos outros em que prevalece o conceito de etnia) não esteja no plural, o artigo deve indicar essa pluralidade.

Com o determinado no plural:

os brasileiros, os portugueses, os espanhóis, os botocudos, os tupis, os tamoios, etc.

Com o determinado no singular:

os tupi, os nambiquara, os caiuá, os tapirapé, os bântu, os somáli, etc.

Nota: Por convenção internacional de etnólogos, em trabalhos científicos, fica acordado que os etnônimos que não sejam de origem vernácula ou nos quais não haja elementos vernáculos não são alterados na forma plural, sendo a flexão indicada pelo artigo plural.

  • O artigo indefinido também assume função classificadora, pode adquirir significação enfática:
  • O instrumento é de uma precisão admirável.
  • Ele é um herói! (compare com: Ele é herói!)
  • Falou de uma maneira, que pôs medo nos corações.

Antes de numeral, o indefinido denota aproximação:

Esperou uma meia hora (aproximadamente).

Terá uns vinte anos de idade.

CUIDADO!

Não se deve confundir os artigos definidos (o, a, os, as) com os pronomes (o, a, os, as). Os primeiros determinam os núcleos dos seus respectivos sintagmas nominais, ao passo que os pronomes possuem características anafóricas e equivalem aos também pronomes istoisso e aquilo.

Não se usa antes dos nomes que contêm ordinais pospostos: Pedro I, Henrique VIII, João VI, etc.; mas ocorrem nos seguintes casos: Isabel, a Redentora; D. Manuel, o Venturoso, etc.

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.