Substantivo

Neste artigo, vamos começar uma série sobre Morfologia e o primeiro assunto é Substantivo, uma classe de palavras bastante produtiva na língua portuguesa. Vamos ver os seus principais conceitos; como classificar os substantivos em Concretos e Abstratos; como diferenciar aqueles que são Comuns, Próprios e os coletivos; os meios de expressão do gênero; como o número, plural e singular, ocorre nesse tipo de classe e a graduação dos substantivos, Diminutivo, Aumentativo e Superlativo.

Substantivo: Conceitos gerais

Substantivo é, por definição, a palavra que nomeia os seres em geral. Tudo aquilo que tiver substância pode ser considerado um substantivo. Todos os seres animados e inanimados são substantivos. Pessoas, animais, utensílios, sentimentos, todos esses são considerados Substantivos.

Substantivo: Concretos e abstratos

São chamados Substantivos Concretos aqueles que designam seres cuja existência é independente, ou assim considerados. Não importa se estes são observáveis no mundo real ou não, materiais ou espirituais.

São chamados Substantivos Abstratos aqueles que designam nomes de qualidades, ações ou estados. Não confundir com Adjetivos!

Pertencem ao conjunto dos Concretos os nomes que indicam:

  • Pessoas: Marcelo, Valentina, Evangelina, Ângela, professora, médico.
  • Animais: cavalo, águia, tigre, cão, boi, mosquito.
  • Vegetais: árvore, planta, vitória-régia, rosa.
  • Objetos: livro, mesa, faca, lápis.
  • Lugares: Brasil, Paris, Ipanema, Terra, Lua.
  • Entidades: diabo, alma, fada, lobisomem, saci.
  • Minerais: água, ouro, cobre, mercúrio, chumbo.
  • Fenômenos: chuva, nevoeiro, vento.
  • Instituições: parlamento, dinheiro, tribunal.
  • Concepções: círculo, algarismo, símbolo.

Pertencem ao grupo dos Abstratos os nomes que indicam:

  • Qualidades: formosura, tristeza, bondade, palidez, desdém, ira, coragem, ódio, inteligência, pessimismo, frio, calor.
  • Ações: adoração, agradecimento, resolução, vingança, casamento, encontro, zombaria, caça.
  • Estados: morte, vida, sonho, cegueira.

Substantivo: Comuns, Próprios e Coletivos

Os Substantivos, ou Nomes, Comuns descrevem o ser de modo bem genérico, por exemplo: flor, homem, mulher, casa, bairro, etc. Os Nomes Próprios descrevem apenas um único ser. Esse indivíduo recebe uma única palavra para descrevê-lo, por exemplo: Pedro, Viaduto Engenheiro Oscar Brito, Parque do Ibirapuera. Os Nomes Comuns podem descrever um grupo, dada sua generalização, mas os Coletivos descrevem sempre um conjunto homogêneo de indivíduos. Os Coletivos sempre representam a massa, sendo esta indeterminada ou determinada.

Os Coletivos Indeterminados Gerais não aludem à quantidade dos seres da coleção. Eles se parecem com os  Comuns, mas expressam um todo. Exemplo: exército, a totalidade dos militares integrantes dessa Força Armada. Os Coletivos Indeterminados Partitivos expressam uma parte de um todo. Exemplo: batalhão, parte do exército.
Os Coletivos Determinados, por sua vez, referem-se à quantidade ou à qualidade dos integrantes da coleção. Se à primeira, chamam-se Numéricos, exemplo: par, casal, terno, dúzia, dezena, grosa, centena, milheiro. Se à segunda, especiais. Quando se diz, por exemplo, cardume, não há como pensar de imediato que está sendo feita menção a abelhas, cardume é um agrupamento de peixes.

O Coletivos Determinados Especiais mais comuns:

  • alavão — de ovelhas leiteiras
  • alcateia — de lobos
  • armento — de gado grande (búfalos, elefantes, etc.)
  • arquipélago — de ilhas
  • assembleia — de parlamentares, de membros de associações,companhias, etc.
  • baixela — de objetos de servir à mesa
  • banca — de examinadores, de advogados
  • banda — de músicos
  • bandeira — de garimpeiros, exploradores de minérios
  • bando — de aves, de ciganos, de salteadores
  • boana — de peixes miúdos
  • cabido — de cônegos (como conselheiros de bispo)
  • cacho — de uvas, de bananas
  • cáfila — de camelos
  • cambada — de caranguejos, de malvados, de chaves, etc.
  • cancioneiro — de poesias, de canções
  • caravana — de viajantes
  • cardume — de peixes
  • choldra — de assassinos, de malfeitores
  • chusma — de pessoas da plebe, de criados
  • clero — representa a classe dos sacerdotes
  • conselho — de vereadores, de diretores, de juizes militares
  • conciliábulo — de feiticeiros, de conspiradores
  • concilio — de bispos
  • conclave — de cardeais (para o fim exclusivo de eleger o Papa)
  • congregação — de professores, de religiosos
  • congresso — de senadores e deputados, de cientistas
  • consistório — de cardeais (sob a presidência do Papa, para deliberar sobre interesses da Igreja)
  • constelação — de estrelas
  • corja — de vadios
  • elenco — de atores
  • enxoval — roupas e mais objetos de noivas, colegiais, etc.
  • esquadra — de navios de guerra
  • esquadrilha — de aviões
  • fato — de cabras
  • fauna — conjunto dos animais de uma região
  • flora — conjunto dos vegetais de uma região
  • feixe — de capim, de lenha
  • frota — de navios mercantes, de ônibus, de táxis
  • junta — de bois, de médicos, de credores, de examinadores
  • joldra — o mesmo que choldra
  • legião — de soldados, de demônios
  • malta — de desordeiros
  • manada — de bois, de elefantes
  • matilha — de cães de caça
  • matula — de desordeiros, de vagabundos
  • ninhada — de pintos
  • nuvem — de gafanhotos, de pó
  • penca — de bananas, de chaves
  • quadrilha — de bandidos, de ladrões
  • rebanho — de ovelhas, de gado em geral
  • récua — de cavalgaduras
  • réstia — de alhos, de cebolas
  • repertório — de peças teatrais
  • resma — de papel
  • revoada — de pássaros
  • súcia — de pessoas desonestas
  • talha — de lenha
  • vara — de porcos

Atenção para “junta”, “manada” e “bando”, pois devem ser seguidos da especificação do coletivo em questão. Exemplo: junta de médicos, junta de bois, junta de examinadores; manada de elefantes, manada de búfalos;  bando de aves, bando de ciganos, bando de ladrões, etc.

Substantivo: Gênero

A Língua Portuguesa possui apenas dois gêneros gramaticais, ou a palavra é masculina ou ela é feminina. Não quero entrar no assunto de representatividade de gênero social, a questão aqui não é o sexo do ser, mas como a língua o classifica. Nomes masculinos geralmente são terminados em “o” (ex.: carro), os femininos em “a” (ex.: casa), mas há palavras masculinas e femininas que terminam com “e” (ex.: ponte e pote). O uso do “x”, “@”, ou outra marcação genérica, não faz parte da Norma-padrão da língua.

Note-se que Gênero gramatical não tem nenhuma relação direta com o sexo do ser, já que “criança”, “vítima”, “pessoa”, “criatura” são sempre femininos, independentemente de serem do sexo masculino.

Pode-se dizer que nomes terminados em “o” átono são masculinos; e os que terminam em a átono são femininos. Entretanto, há um grupo de substantivos terminados em “a” que são masculinos, por exemplo: clima, cometa, mapa, além. Também são masculinos os nomes de origem grega terminados em “ema” ou “oma”:

  • anátema
  • aroma
  • axioma
  • carcinoma
  • cinema
  • coma
  • diadema
  • dilema
  • diploma
  • emblema
  • estratagema
  • fibroma
  • fonema
  • idioma
  • morfema
  • poema
  • problema
  • sistema
  • telefonema
  • tema
  • teorema
  • trema

Substantivo: Apenas um Gênero

Há três tipos de Substantivos com apenas um só gênero gramatical:

1° Tipo: Para designar pessoas de ambos os sexos. Também chamados sobrecomuns:

  • o algoz
  • a criança
  • o apóstolo
  • a criatura
  • o cônjuge
  • a pessoa
  • o indivíduo
  • a testemunha
  • o verdugo
  • a vítima

2° Tipo: Para designar animais de ambos os sexos. Também chamados epicenos:

  • o albatroz
  • a águia
  • o badejo
  • a baleia
  • o besouro
  • a borboleta
  • o condor
  • a cobra
  • o gavião
  • a codorniz
  • o jaguar
  • a formiga
  • o rinoceronte
  • a mosca
  • o rouxinol
  • a onça
  • o tatu
  • a pulga
  • o tigre
  • a tartaruga

3º Tipo: Para designar coisas (vegetais, minerais, objetos, entidades, instituições, qualidades, etc.):

  • o diamante
  • a alma
  • o livro
  • a beleza
  • o navio
  • a estrela
  • o vento
  • a faca
  • o tribunal
  • a rosa

Substantivo: Mais de um Gênero, sem flexão

Neste grupo, há apenas uma só forma para os dois gêneros, mas os elementos adjacentes (artigos e adjetivos) os apontarão como masculinos, ou femininos. Também chamados comuns de dois gêneros:

  • o aborígine // a aborígine
  • o agente // a agente
  • o artista // a artista
  • o atendente // a atendente
  • o camarada // a camarada
  • o colega // a colega
  • o colegial // a colegial
  • o cliente // a cliente
  • o dentista // a dentista
  • o estudante // a estudante
  • o gerente // a gerente
  • o herege // a herege
  • o imigrante // a imigrante
  • o indígena // a indígena
  • o intérprete // a intérprete
  • o jornalista // a jornalista
  • o mártir // a mártir
  • o pianista // a pianista
  • o protestante // a protestante
  • o selvagem // a selvagem
  • o servente // a servente
  • o silvícola // a silvícola
  • um artista // uma artista
  • artista talentoso // artista talentosa

Também pode-se obter o feminino de determinados substantivos por meio da Flexão de Gênero, mas esse assunto será tratado em outro artigo.

Substantivo: Número

O número indica a quantidade de seres nomeados, se é um ou mais de um. Há apenas Singular, referente a um ser ou grupo de seres, – a criança, o peixe, o rebanho –, e Plural, referente a mais de um ente ou grupo de entes – as crianças, os peixes, os rebanhos. O singular pode exprimir um ser individual (o homem
que esteve ontem aqui, o relógio que comprei, um boi), ou uma espécie (o homem é mortal, o relógio serve para marcar as horas, o boi é ruminante).

Substantivo: Formação do Plural

O morfema de plural é o s (com uma variante es), que se opõe a um morfema zero, sinal particularizante do singular. Apenas fogem à singeleza desse mecanismo morfológico os nomes paroxítonos já terminados em s (ou em x), nos quais a identificação do número se faz pela concordância com um determinante:

alferes, atlas, lápis, oásis, ourives, pires, fênix, ônix, tórax.

alferes correto (singular) — alferes corretos (plural)

lápis vermelho (singular) — lápis vermelhos (plural)

um tórax aberto (singular) — dois tórax abertos (plural)

Substantivos terminados em vogal, ou ditongo

Recebem s:

monte — montes

café — cafés

sapoti — sapotis

bambu — bambus

divã — divãs

órfã — órfãs

pai — pais

mãe — mães

NOTA: Nomes finalizados em “em”, “im”, “om” e “um”, troca-se o “m” pelo “n” antes de receber o s:

vintém — vinténs

jardim — jardins

bombom — bombons

jejum — jejuns

Substantivos terminados em consoante

a) Terminados em “r”, “z”, “n” ou “s” (este em sílaba tônica) junta-se “es”:

mulher — mulheres

cruz — cruzes

abdômen — abdômenes (mas também: abdomens)

gás — gases

português — portugueses

b) Terminados em “l” em sílabas “al”, “el”, “ol” e “ul” têm o “l” substituído por is, mas mantendo a vogal anterior:

jornal — jornais

papel — papéis

mel — méis (ou meles)

farol — faróis

álcool — álcoois

paul — pauis

NOTA: Caso a palavra termine com “il” tônico, traca-se para “is”; caso “il” seja átono, passa a “eis”:

fuzil — fuzis

covil — covis

réptil — répteis

OBSERVAÇÃO:

Há Nomes que não possuem singular:
anais, antolhos, arredores, arras, calendas, cãs, condolências, (jogo de) damas, endoenças, esponsais, esposórios, exéquias, fastos, férias, fezes, manes, matinas, núpcias, óculos, olheiras, primícias, pêsames, víveres, etc., (naipe de) copas, (naipe de) espadas, (naipe de) ouros, (naipe de) paus.

Substantivo: Gradação

O Substantivo pode ser expresso por dois graus: Diminutivo e Aumentativo. Essas formas são obtidas por meio e sufixos através da Composição e/ou Derivação. Demonstração de afetividade, caráter conotativo, indicação de tamanho, entre outras finalidades estão presentes na escolha do aumentativo e do diminutivo. Os principais sufixos que dão conta do grau são:

DIMINUTIVO:

-ito, -zito

copito, amorzito, passeandito

-ico

namorico, veranico

-isco

chuvisco, petisco

-eta, -ete, -eto

saleta, diabrete, livreto, saberete

-eco

livreco, padreco

-ota, -ote, -oto

ilhota, caixote, perdigoto

-ejo

lugarejo, animalejo

-acho

riacho, fogacho

-el, -ela, -elo (ora com e aberto ora fechado)

cabedelo, magricela, donzela, donzel

iola

arteríola

-ola

camisola (também tem sentido aumentativo quando designa a camisa longa de dormir); rapazola (cf. -iola)

-ucho

gorducho, pepelucho

-ebre

casebre

-ula, -ulo, -cula, -culo

nótula, glóbulo, radícula, corpúsculo

-alho, -elho, -ilho, -olho, -ulha

ramalho, rapazelho, pesadilho, ferrolho, bagulho

-aça, -aço, -iça, -iço

fumaça, caniço, nabiça

-el

cordel

AUMENTATIVO

-ão, -zão

cadeirão, homenzão

-anço

falhanço, copianço

-arro, -arrão, -zarrão, arraz (arro + az)

naviarra, bebarro, santarrão, coparrão, homenzarrão, pratarraz

-eirão

vozeirão

-aço, -aça

ricaço, barcaça, copaço

-astro

poetastro, politicastro, padrasto, madrasta (nos dois últimos houve dissimilação)

-alho, -alha, -alhão

politicalho, muralha, grandalhão

-ama

ourama, poeirama, dinheirama

-anzil

corpanzil

-ázio

copázio

-uça

dentuça

-eima

guleima, guloseima, boleima

-anca

bicanca

-asco

penhasco

-az

fatacaz, famanaz, famaraz

-ola

beiçola

-orra

cabeçorra

-eirão

chapeirão, toleirão

-ento

farturento

Outras definições para Substantivo

(subs.tan.ti.vo)

adj. || diz-se da palavra que designa exclusivamente e sem auxílio de outra a substância; que designa um ser real ou metafísico.

Relativo ao substantivo ou a forma substantiva: O primeiro “que” é o pronome relativo que introduz a oração de mandaste e vai ao mesmo tempo servir de complemento direto à oração substantiva de lesse. ( Simões Dias , Teoria da Linguagem , VI, p. 40.)

Côres substantivas 1. (Quím.) matérias corantes que entram em combinação com a própria matéria dos estofos.

One thought to “Substantivo”

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.